domingo, 8 de julho de 2018

Estado reserva recurso para pagar dívidas trabalhistas da Ebal e estuda estender Planserv

Mesmo com a venda da Empresa Baiana de Alimentos (Ebal), o Estado da Bahia precisará enfrentar na Justiça do Trabalho diversos processos de funcionários demitidos nos últimos anos. De acordo com o procurador-geral de Justiça, Paulo Moreno, a Procuradoria Geral tenta fazer um acordo com os trabalhadores no Juízo de Conciliação do Segundo Grau, do Tribunal Regional do Trabalho da Bahia (TRT-BA). A ideia, segundo Paulo Moreno, é fazer um grande acordo para pagamento das execuções, contemplando também processos que ainda estão em fase de conhecimento. “A conversa está avançada. 

Na pauta, estão algumas questões, como a extensão do Planser para os funcionários demitidos. Estamos avaliando e, a principio não há uma posição com relação a isso. Evidente que, todo aquele que possa ser beneficiado com a extensão do Planserv, não seja beneficiado como os demais servidores. É uma situação que estamos discutindo, abrimos essa negociação. No meu entendimento, vamos chegar a um bom termo. 

É do nosso interesse essa resolução. Já reservamos recursos para garantir os aportes para satisfazer os impasses trabalhistas”, declarou em entrevista ao Bahia Notícias. A Ebal foi vendida em abril deste ano, por R$ 15 milhões. O procurador-geral do Estado avaliou que a venda da Ebal foi uma “vitória” e foi um processo “muito difícil”. “E, de fato, o Estado não é para cuidar de supermercado. O Estado é para cuidar de escola, de segurança e de saúde pública”, pontuou. *Bahia Notícias

3 comentários:

  1. “E, de fato, o Estado não é para cuidar de supermercado. O Estado é para cuidar de escola, de segurança e de saúde pública”, pontuou. *Bahia Notícias
    CONCORDO PLENAMENTE! POIS EM ITAJU DO COLÔNIA, A CESTA DO POVO SÓ PRESTAVA PARA ABASTECER OS MERCADOS DA CIDADE, QUANDO O CONSUMIDOR CHEGAVA PARA COMPRAR JÁ NÃO TINHA MAIS NADA. DEMOROU DE ACABAR!!

    ResponderExcluir
  2. Privatizar a cesta do povo por 15 milhões !? O Estado entregou a Ebal de mão beijada. Lamentável.

    ResponderExcluir
  3. Não foi só 15 milhões. Existiam passivos que foram absorvidos pela empresa que comprou.

    ResponderExcluir