terça-feira, 5 de junho de 2018

Bahia é estado que mais mata jovens, aponta levantamento

Dentre as 27 unidades federativas do país, a Bahia é a que mais registra homicídios de pessoas entre 15 a 29 anos de idade. De acordo com dados do Atlas da Violência, produzido pelo Ipea e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) e divulgado nesta terça-feira (5), foram 4.358 homicídios de jovens em 2016 no estado.

De 2006 a 2016, houve um aumento de 123,8% nos homicídios, quinto maior aumento do país. Também foi registrado um acréscimo de 22,5% no número de homicídios de 2015 para 2016. O número de homicídios por estado foi resultado da soma dos óbitos causados por agressões mais intervenção legal.

O registro segue a tendência do país, que superou o patamar de trinta mortes por 100 mil habitantes pela primeira vez na história. São cerca de 60 mil a 65 mil casos por ano. Ainda de acordo com o Atlas, 11 estados apresentaram crescimento gradativo da violência letal nos últimos 10 anos, sendo que, com exceção do Rio Grande do Sul, todos se localizam nas regiões Norte e Nordeste do país.

4 comentários:

  1. Educacao integral e geracao de empregos e o caminho.um pais que nao investe em edecacao e um pais sem futuro.

    ResponderExcluir
  2. Isso é verdade, mas e os atuais jovens espírito de porco que existem? Esses tem que cair na bala e os que forem crescendo, educação neles

    ResponderExcluir
  3. Pq esses que estão aí não tem mais recuperação, pelo simples fato deles não quererem.

    ResponderExcluir
  4. Quando o próprio estado e a sociedade fomentam a banalização da unidade familiar como estrutura básica de qualquer sociedade é isso o que temos como resultado. A banalização do sexo antes do casamento é o agravante gravidez precoce, pais que não acompanham seus filhos nas escolas, a terceirização da criação para as escolas, a erotização de crianças e adolescentes que hoje é encarado como progressista e moderno, fomentam a formação de famílias desestruturadas e a geração de uma juventude sem o acompanhamento familiar necessário. Pobreza não é requisito para ser um delinquente. Esses jovens não entram para o mundo do crime por não achar vaga nas escolas ou por não terem sido atendidos em um posto de saúde, muito menos roubam e matam para comprar um quilo de carne, essa é a desculpa mais fácil para retirar o peso da responsabilidade das famílias. O estado é apenas um suporte na estrutura mas ultimamente tem tentado ser o protagonista da criação do indivíduo, impondo a sua maneira de criar mas não assumindo as responsabilidades e atuando apenas como executor da pena.
    Enquanto as pessoas não se voltarem para os princípios básicos que hoje são ridicularizados por serem taxados de "conservadores" infelizmente o cenário só tem a piorar.

    ResponderExcluir