quinta-feira, 24 de maio de 2018

MP e Estado compartilharão informações para apuração de supostas irregularidades em concurso da Polícia Civil

O Ministério Público estadual e o Estado da Bahia compartilharão informações e provas de apurações realizadas sobre a regularidade do concurso público da Polícia Civil. A definição foi feita em uma reunião realizada na quarta-feira, dia 23, entre a procuradora-geral de Justiça Ediene Lousado, os secretários de Administração, Edelvino Góis, e de Segurança Pública, Maurício Barbosa, o delegado-geral da Polícia Civil, Bernadino Brito, a promotora de Justiça Heliete Viana e a procuradora do Estado Marcela Capachi Nogueira. Também foi definida a realização de uma reunião conjunta com a Fundação Vunesp, empresa responsável pela execução do certame, para esclarecimento de algumas questões que estão sendo apuradas pelo MP.

Na última segunda-feira (21), as promotoras de Justiça Heliete Viana e Rita Tourinho encaminharam recomendação à Secretaria de Administração do Estado para suspensão do concurso público até que sejam “suficientemente apuradas e esclarecidas” as supostas irregularidades no processo seletivo apontadas por candidatos. Segundo Heliete Viana, o MP apura se houve falha na logística de fiscalização das provas e está buscando mais informações para verificar se houve outras irregularidades.

Segundo o secretário de Administração, Edelvino Góis, há um interesse mútuo na lisura e na transparência do certame. Neste sentido, a procuradora-geral de Justiça Ediene Lousado sugeriu que a Procuradoria do Estado e a 4ª Promotoria de Justiça da Cidadania, responsáveis pelas apurações respectivamente no âmbito do Estado e do MP, compartilhem as provas colhidas, o que foi acatado pela procuradora Marcela Capachi e pela promotora de Justiça Heliete Viana. “A nossa intenção é contribuir, no que for possível, com as apurações do Ministério Público. Precisamos evitar que pessoas que burlam o concurso possam integram uma instituição como a Polícia Civil”, afirmou Maurício Barbosa. Também participaram da reunião o assessor especial da PGJ, promotor de Justiça Cristiano Chaves, o diretor de Inteligência da SSP, José Eduardo Barbosa, e o superintendente de Recursos Humanos da Saeb, Adriano Tambome.

14 comentários:

  1. ONDE VAMOS PARA??? TEM FRAUDE EM TUDO

    ResponderExcluir
  2. EU QUERIA SABER QUAL O VALOR DA VAGA DE DELEGADO; INVESTIGADOR E ESCRIVÃO!!!. ACHO QUE O MAIS CARO É PRA "DELEGADO"!. A CORRUPÇÃO NÃO ESTÁ CENTRALIZADA SOMENTE EM BRASÍLIA!. MAS EM TODO O BRASIL!!!!. E ESSES MESMOS CORRUPTOS QUE VENDERÃO E COMPRARAM A VAGA, SÃO OS MESMO QUE ABREM A BOCA SUJA PARA METEREM PAU EM NOSSOS POLÍTICOS!!!. A CORRUPÇÃO, ESTÁ ENTRANHADO DO D.N.A BRASILEIRO.!!!. QUE VENHA AGORA O CONCURSO DA PF E PRF...QUEM PODERÁ GARANTIR TRANSPARÊNCIA NESSES DOIS PRÓXIMOS CONCURSOS POLICIAIS????. TALVEZ...O "CHAPOLIM COLORADO"!!!!. NÓS BRASILEIROS DA PARTE BOA DA LARANJA, TODOS NÓS, ESTAMOS LASCADOS!!!!.

    ResponderExcluir
  3. RESUMO DA OBRA.
    A BANCA FICA COM A IMAGEM ARRANHADA E O ESTADO COM O AUMENTO DA FALTA DE CREDIBILIDADE. O QUE NÃO É POUCO QUANDO SE FALA DE CONFIANÇA NA INSTITUIÇÃO PUBLICA, PRINCIPALMENTE DE SEGURANÇA.

    ResponderExcluir
  4. qui sirva de exemplo pra outras bancas cebrasp,investigadas em fraudes,vendendo cargos ,vergonha se comprovada deveria ser inrretratavel ela promover concursos

    ResponderExcluir
  5. Deveriam também anular o concurso da uesc, uma vergonha, mas como no Brasil a justiça é para umas coisas e outras não.

    ResponderExcluir
  6. eu era criança já ouvia essa mesma verdade fraude no concurso da policia policial tem padrinho forte por isso é policial.

    ResponderExcluir
  7. se NÃO anular ta normal, porque tudo nesse pais tem que ter maracutaia. fiz a prova tiver 73 pontos to classifica segundo o edital, , mais mesmo assim fala a verdade e preciso, não teve fiscalização nem uma, uma bagunça da porra. se soubesse que seria assim tinha levado minha apostila e feito de consulta ai teria fechado a prova.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com esse Português e vc ainda vc fez 73 pontos??? Sei que a prova foi de múltipla escolha, mas vc se realmente vc fez essa pontuação, só se foi na base do "Papai Noel mandou eu escolher esse..."!!! Caso venha a ser aprovada nos próximos testes, teremos mais um(a) analfabeto(a) ocupando cargos públicos!!! Vc sim seria uma das fraudes do concurso!!!

      Excluir
    2. vc pode até ter feito 73 pontos.Mas se eu fosse vc tomaria cuidado as questões discursivas. Entre tantos erros no seu comentário, o mais gritante é "NEM UMA"...
      Tadinho, menos um concorrente kkkkk

      Excluir
  8. As fraudes sempre existiram. Hoje, pelo menos, estamos tendo acesso a informação. Como pode a polícia civil entrar por fraude? É essa polícia que tem que ter o compromisso moral, de fazer investigações sérias! Difícil!

    ResponderExcluir
  9. A COISA TÀ FEIA COMPANHEIRO.

    ResponderExcluir
  10. SUPOSTA IRREGULARIDADE? TEVE GENTE ATÉ OM CELULAR NA SALA E O GABARITO DANDO SOPA EM CIMA DA MESA DE QUEM FOI APLICAR A PROVA.

    ResponderExcluir
  11. De todo jeito somos lesados taxas mais caras e não aplicou as provas nas principais cidades assim como conquista ilhéus etc, no século XXI não recolheu as digitais assim lucram mais ou roubam mais aplicando a prova só na capital gerando desgastes e desvantagem para candidatos do interior que gastou em media r$ 500,00 com despesas etc .

    ResponderExcluir
  12. O que eu mais acho interessante é em eles falarem de suposta irregularidades! Tenho certeza de que assim como eu tive as fotos do pessoal em sala de aula com o celular na mão e de que teve gente com o gabarito da prova e de outros que saíram com a prova, além de fiscais que se ausentaram da sala e deixaram os candidatos sozinhos fazendo a prova, eles também tem essa notícia e fotos, e ainda vem falar em suposta irregularidades. Na verdade o concurso é pra ser cancelado e ter uma nova prova e que dessa vez venha ter no interior do Estado também, pra que dessa forma venha compensar o gasto que tivemos em nos deslocarmos do interior para a capital do Estado.

    ResponderExcluir