quarta-feira, 23 de maio de 2018

Dono de funerária é preso acusado de homicídio em Poções; suspeito vendeu caixão à família da vítima e foi ao sepultamento

Um dono de funerária em Poções, no sudoeste, foi preso nesta segunda-feira (21) acusado de homicídio contra um servidor público. Segundo a Polícia Civil, o comerciante Caio Cunha chegou a vender o caixão da vítima, identificada como Jadson Neves, e foi ao enterro da mesma no último sábado (18). O crime ocorreu na sexta-feira (18). Por conta da acusação, moradores da cidade ficaram revoltados e tentaram depredar a funerária de Caio, identificada como Funepax, no centro da cidade.
Dois funcionários dele também foram presos por suspeita no envolvimento do homicídio. Junto com o patrão, eles foram encaminhados para uma carceragem de Vitória da Conquista por falta de condições de segurança para os três acusados. Ainda segundo a Polícia, a suspeita é que o acusado matou o servidor por conta de um débito que a vítima cobrava no financiamento de um carro. O homem teria atraído o servidor para um local na zona rural do município e desferiu cerca de 12 tiros. *Bahia Notícias

5 comentários:

  1. Só falta chover pra cima .misericordia

    ResponderExcluir
  2. Vagabundos! O lugar dos senhores, já esta reservado no inferno.
    Esse elemento, queria ser igual aquele rapaz, que fez um video no WhatsApp desejando que as pessoas morrecem pra comprar caixao na funerária dele, mas já esse caso aí esse animal foi e tirou a vida do rapaz. O ser humano, perdeu o amor a muito tempo!

    ResponderExcluir
  3. A vítima era primo de Sinho ferrary

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinho ferrrari deixou a Vo q criou morando numa casa simples e nem vai visita-la. Vcs acha q vai se preocupar com parente morto a bala....kkkkkkk siinho ferrari nem lembra de ITAMBE

      Excluir
  4. Meu Deus isso e para quem não acredita que esta humanidade esta perdida! o safado devia ao cara, o cara cobrava ele, ele vai mata o credor, e ainda ganha dinheiro vendendo o caixão! merecia deixar a população matar eles.

    ResponderExcluir